POR QUE

Por que Tempo de Hermes

De início era o movimento. Na raiz da palavra Hermes está, de um lado, o ato de misturar ou suavizar pela mistura e, de outro, o sentido de encadeamento, do ímpeto e do movimento, do que corre e flui. Mágico, satírico, médico ou artesão em várias culturas, a figura de Hermes vincula-se à Alquimia e é hermafrodita, signo de completude e ação solidária com a natureza.

De início era o movimento. Símbolo da inteligência industriosa e realizadora, da astúcia, rapidez e criatividade, Hermes inventa a flauta e troca com Apolo por magias divinatórias. Viajante e nômade, deus das negociações, das intermediações, das encruzilhadas, Hermes é representado por quatro ventos e quatro rostos que olham, ao mesmo tempo, para o passado e o futuro.

De início era o movimento. Tempo de nomadismos em todos os domínios da vida. Tempo trágico de liquidez, dispersão, ebulição, fusão e (con)fusão. Tempo que anuncia a fratura do indivíduo, o esgarçamento das fronteiras, a rejeição do canônico.

De início era o movimento e sempre será. Tempo da criatividade, da ancestralidade e da inovação. Tempo da religação dos saberes, em que ética e estética conspiram pelo humano.De início era o movimento. Tempo em que deuses e homens urdiam juntos os destinos do mundo. Tempo de Hermes.Hermes simboliza, objetivamente, o conjunto de conhecimentos vindos dos quatro pontos cardeais e de todos os níveis da existência, enquanto que, subjetivamente, significa os múltiplos aspectos ou interpretações que tomam a palavra no espírito das pessoas. Hermes é, ao mesmo tempo, o deus do hermetismo e da Hermenêutica, do mistério e da arte de decifrá-lo.

Tempo de Hermes chegou